Buscar por:  

Assine o RSS Artigos

Voltar 20/09/2013 - Diário do Comércio

Sem reformas no país, PIBinho se manterá até 2020, dizem analistas

Rio de Janeiro - A economia brasileira deixou para trás seu padrão de crescimento econômico mais elevado e tende a repetir uma série de "PIBinhos" até 2020, se não atacar problemas como maior inserção no comércio internacional, melhorar a produtividade - especialmente da indústria - e reforçar a infraestrutura. Soma-se a esses pontos as reformas, com destaque à política, e a um salto de qualidade da administração pública.

Tal diagnóstico foi extraído de palestras e entrevistas durante o Fórum Nacional, que aconteceu ontem e segue hoje no Rio de Janeiro, e reúne acadêmicos de diversas áreas, empresários e economistas.

Para o presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) e um dos controladores da Natura, Pedro Passos, o baixo crescimento dos anos recentes, a maior inflação e a alta do dólar minaram a confiança de empresários. Tais fatores, diz, já afetam o nível de atividade da indústria.

Já o economista e ex-presidente do BNDES, Edmar Bacha, diz que o país cresceu na esteira da "bonança externa", mas a boa fase se estancou quando a China entrou em desaceleração, o que fez cair os preços de commodities - muitas delas responsáveis por grande parte das exportações brasileiras, como soja, milho e minério de ferro.

"Precisamos de um Plano Real para a indústria e para o setor externo", disse. Tal plano passa por elevar a penetração do país no mercado externo, com mais exportações e importações.

Bacha diz que nenhuma outra grande economia do mundo tem tão pouca entrada em exportações. O Brasil é o sétimo maior PIB do mundo, mas está apenas em 25º lugar no ranking dos maiores exportadores. Sem reformas e uma maior inserção global, diz, o Brasil manterá um crescimento do PIB em torno de 2% até 2020.

Reforma - O ex-ministro do planejamento nos anos 70, João Paulo dos Reis Veloso, organizador do fórum, avalia que a primeira reforma e a mais urgente é a política. " o maior problema do país."

Para o economista, a reforma tem de culminar com cinco ou seis partidos "fortes", com "representatividade e autonomia". "Ou seja, não atrelados ao Poder Executivo." Todas as agremiações, afirma, devem ser "corresponsáveis pelo ajuste fiscal permanente, pela agenda de reformas e pelo desenvolvimento econômico e social."

Segundo Reis Veloso, "é preciso evitar as lições que boa parte das lideranças políticas estão dando ao povo, como a falta de ética." Num recado ao governo do PT, o ex-ministro afirmou ainda que é necessário mudar a lógica atual de "uso da coisa pública em benefício próprio ou de seu partido."

Por fim, o economista alertou para o problema do gasto público, com baixo nível de investimento - 6% do total - e muitas despesas para sustentar a máquina do governo.

Já o vice-presidente do BNDES ressaltou a necessidade de ampliar ainda mais investimentos em infraestrutura, área na qual o banco já tem papel de destaque. A carteira atual da instituição para o setor é de R$ 273 bilhões em projetos (em consulta, análise, aprovados ou contratados já), que vão gerar, no futuro, financiamentos estimados (se todos saírem do papel) de R$ 160 bilhões. (FP)

by vm2

ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Maquinas e Equipamentos.
2019 Todos os direitos reservados.

Av. Getulio Vargas - 446 Sala 701 - CEP: 30112-020 - Belo Horizonte - MG
Tel: (31) 3281-9518 - Fax: (31) 3284-8751
E-mail: srmg@abimaq.org.br